Poema de Fim de Semana: Sol Cerrado

chapada-dos-veadeiros-por-do-sol-albery-santiniPoema de Luiz Martins da Silva. Foto de Albery Santini

Antes de nós e nossos postes
Ele já morava aqui e se recolhia
Nesse seu modo de ser capucho,
Paleta de matizes indecisos,
Mas ao gosto Rembrandt com nuvens
[Paisagem com a ponte de pedras].

Clássica paisagem alheia a pintores
De luzes e sombras nos olhos.
Nós, que tanto nos maquiamos
E o admiramos de eterna juventude,
Estática, há 13 bilhões de anos!

Se, por aqui, a tudo produzimos,
Em segunda natureza (iluminada
Quando a noite pede artifícios),
Também nos recolhemos às sombras,
Remoto novelo de figuras em sonho.

Coitado do Sol que não se sabe
Tão belo quanto o último gerânio,
Fixar-se com tintas, moldura e parede
No museu do Universo, galeria de estrelas.
E o Artista? Pelas mãos e pincéis dos seus.

Deus não joga dados, já se disse.
Joga, então, sinuca de bico.
E sai de todas, e com tal perícia,
Que retrata a Si no seu céu de milagres,
Estes da poesia, da noite e do dia.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura, Poemas & Poesias. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poema de Fim de Semana: Sol Cerrado

  1. Pingback: Poema de Fim de Semana: Sol Cerrado — Brasília, por Chico Sant’Anna | O LADO ESCURO DA LUA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s