Arte da terra: a inclusão social pelo conhecimento das aves

mesa-com-passaros

Com ferramentas alternativas, alunos esculpem aves do cerrado. Valoriza-se a identidade cultural e aprende-se sobre a preservação das espécies.

Com base no texto de Israel Carvalho, publicado originalmente no Portal Gama Cidadão. Fotos de Milene Sodré.

Bem-te-vi, João-de-barro, Canário-da-Terra, Papagaio, Tucano, Coruja, Pintassilgo e Pica pau.

Essa aves são o foco do projeto Arte da Terra, que começou pela Estrutural e agora atua com os alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais e Deficientes de Taguatinga e Ceilândia – Apaed. A iniciativa conta com recursos do Fundo de Apoio à Cultura – FAC.

Leia também:

aluna-com-pintasilgoA iniciativa consiste em formar escultores que trabalham na confecção dessas oito aves brasileiras em argila. As oficinas com trabalho em cerâmica objetivam formar novos artesãos escultores através do ensino: Pretende-se com isso proporcionar aos alunos uma ocupação que lhes possibilite uma fonte de renda, o resgate da auto-estima e a inclusão social. Além, é claro, de aprender sobre a fauna local do Distrito Federal, produzindo pássaros artesanais.

Os trabalhos se valem de ferramentas alternativas, os alunos valorizam a identidade cultural, aprendem sobre a necessidade da preservação das espécies assim como divulgam a fauna e arte local.

Neste curso o aluno desenvolve sua criatividade e sensibilidade que, conquistadas no manusear o barro, também ajudam a dissolver problemas somatizados e a aprimorar a habilidade psicomotora.

aluna-com-ave-ainda-no-barroSegundo Michele Sodré, artista plástica coordenadora do projeto: “vários são os motivos que fazem as pessoas se interessarem pelo curso, mas o mais importante é que independente do motivo, a pessoa resgata o sentido de observar e contemplar a natureza e assim retomar o foco de si e afastar o estresse do dia a dia. E as aves são fonte de beleza e inspiração que muitas vezes são avistadas de nossas varandas e janelas, mas que nós não notamos devido a problemas ou a correria da vida atual.”

O professor do curso, o escultor e artista plástico John Du Francis, desenvolveu uma técnica que facilita o aprendizado do aluno, a técnica dos “5 toques”. Desta forma o aluno modela o pássaro rapidamente e se surpreende com o resultado:;

“Não tem aluno que pegue na argila e não saia com um passarinho de autoria própria na mão, e o aluno, vendo-se capaz de fazer algo que nunca imaginou fazer, eleva sua confiança e auto estima fortalecendo o sentimento de capacidade para os diversos campos de sua vida” – explica.

aulaO curso proporciona além de diversos benefícios físicos e mentais, um grande incentivo ao turismo e geração de renda através da produção de artesanato. “Esta arte, típica de um determinado local e feita pelas próprias mãos de seus artistas é o retrato mais fiel de uma região, por isso, exaltar a natureza através do artesanato é um complemento perfeito para mostrar a identidade de um povo e destacar suas belezas naturais”, afirma Michele.

Serviço:

A Apaed localiza-se na QNM 29, modulo “D”, Área Especial – Ceilândia Sul.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Arte Popular, Artesanato, Brasília - DF, Ceilândia, Cidadania, Cultura, Desigualdade Social, Direitos Humanos, Distrito Federal, Estrutural, Inclusão Social, Taguatinga - DF. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Arte da terra: a inclusão social pelo conhecimento das aves

  1. Pingback: Arte da terra: a inclusão social pelo conhecimento das aves — Brasília, por Chico Sant’Anna | O LADO ESCURO DA LUA

  2. Pingback: Arte da terra: a inclusão social pelo conhecimento das aves | Brasília, por Chico Sant’Anna | METAMORFASE

  3. Pingback: Arte da terra: a inclusão social pelo conhecimento das aves | Brasília, por Chico Sant’Anna | BRASIL S.A

  4. Pingback: Máfia da Sucata em ação na Estrutural | Brasília, por Chico Sant'Anna

  5. Pingback: Estrutural: uma cidade com medo do amanhã | Brasília, por Chico Sant'Anna

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s