Racionamento: e agora?!

torneira-2-close-com-efeitoPor Aline Guedes.* Foto de Chico Sant’Anna

 

Nunca fui ativista de nenhuma causa. Mas essa questão da economia de água sempre me preocupou. Procuro fazer uso racional dos recursos naturais, e tento transmitir esta consciência aos mais próximos, mesmo sendo incompreendida e até criticada, em alguns momentos.

Fato é que a maioria de nós só toma as devidas providências quando o caos já está instaurado. É o caso daqueles cidadãos que só vão ao médico em último caso, ou de quem acha ser preciso usar o cinto de segurança somente para não ser multado.

Certo dia, pedi a uma conhecida que fechasse a torneira enquanto ensaboava louça, porque me doeu na alma ver o desperdício. A resposta imediata dela, foi: “Aline, aqui não é o Nordeste, não”. Eu não repliquei, mas confesso que aquela ignorância me deixou estupefata. Hoje, com o Distrito Federal passando pelo primeiro racionamento da sua história, será que eu poderia me virar para aquela conhecida, e perguntar: “E agora, é?”?

Leia também:

Infelizmente, algumas pessoas não agem com a devida responsabilidade, muito menos pensam em favor do conjunto. Vi, numa reportagem, que o síndico de determinado condomínio adotou medidas de reuso da água das piscinas e dos prédios, levando a conta a cair de R$ 11 mil para R$ 1.900 por mês. Mesmo assim, ele também será prejudicado com o racionamento.

Entende o que digo? Precisamos cuidar dos bens públicos e dos recursos naturais em benefício próprio, mas, também, pensando no bem comum. É fácil achar que gastar papel higiênico em demasia ou energia elétrica desnecessária no meu ambiente de trabalho é problema do chefe ou do governo. Mas é mais inteligente lembrar que quem paga a conta é cada um de nós.

*Aline Guedes é Jornalista e trabalha no Senado Federal, em Brasília.

 

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Brasília - DF, Consumidor & Consumo, Desenvolvimento Urbano, Distrito Federal, Meio ambiente, Recursos Hídricos, Secretaria de Meio-ambiente. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s