Poema de Fim de Semana: Conversas Telúricas

img-20160301-wa0075Poema de Luiz Martins da Silva. Foto de Thiago Luz

 

O trovão acabou de destravar a trave das comportas,
Sem antes faiscar severos percalços
A que tanto obedecem às ondas e os temores.

Desde reverências, as mais a-históricas, às vidraças,
Dos persas, medos, caledônios e candangos…
Céus e terras se arremedam em cios indiscretos.

Eu plantei sementes de girassol no Crescente
Para que algo nos guarde predispostos aos vagalumes
Que hão de nos proteger dos impropérios temporais.

Sei que nenhum tsunami desembarcará por aqui,
Mas, não podemos nos esquecer que até por lá
Chegará a contingência de um simples farfalhar de asas.

Eu cultivo movimentos de borboletas em minhas miragens
E recomendo firmemente que prossigam em deus devaneios
Porque temos de estar em paz, desde as nossas íris.

Colher no pé uma fruta é tão solene quanto pisar na lama
E sentir que o chão é sempre outro quando aos nossos pés.
Isto bem o sabem, dos seres ínfimos aos netos que hão de vir.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Fotografia, Literatura, Poemas & Poesias. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poema de Fim de Semana: Conversas Telúricas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s