Pelo segundo ano consecutivo, o PSDB se coloca como a maior agremiação no DF, em termos de filiados, mas o Psol apresenta um crescimento de 17,2% de novos membros. Os dados são da Justiça Eleitoral

 

Por Chico Sant’Anna

Faltando pouco mais de um ano para as eleições de 2018, os Tucanos vêm se consolidando como o partido com o maior plantel de filiados na Capital Federal. Os números referentes a abril deste ano, após o fechamento da janela de filiação partidária do TRE, aponta que o PSDB-DF reúne 28.085 filiados. Se, de um lado, o partido tem o maior contingente, de outro, apresentou um crescimento tímido, em relação a outubro do ano passado: apenas 0,66%. Em termos proporcionais, o PSOL-DF, mesmo estando fora do poder, foi das agremiações que mais cresceram em relação a outubro de 2016, 17,2%.

Do outro lado da tabela, o Partido da Causa Operária, com 38 filiados, e o Partido da Mulher Brasileira, com 34 membros, continuam sendo os menores partidos locais. Dos 35 partidos existentes no DF, apenas 11 ampliaram seus quadros. Dois mantiveram o mesmo contingente (PMDB e PCO) e os demais tiveram redução de filiados. O Distrito Federal tem um baixo percentual de eleitores filiados a qualquer partido político. Segundo a Justiça Eleitoral, em abril de 2017 eram 191.043 pessoas, contra a existência de 1.984.301 eleitores. Ou seja, em cada cem eleitores, menos de dez (9,62%) estão filiados.

Centro Direita

PMDB e Democratas, em seguida, são as duas agremiações que mais atraem filiações. O PMDB, que até outubro de 2015 era a maior agremiação candanga, caiu para segundo lugar em outubro de 2016, com 25.539 filiados, e continua na mesma posição e com o mesmo número de filiados. Já o DEM, mesmo envolvido no escândalo da Caixa de Pandora, se mantém como a terceira maior agremiação, passando de 18.584 filiados, em 2016, para 18.566, neste ano.

Leia também:

PT de Agnelo e PSB de Rollemberg, que em 2010 estavam juntos, não cresceram em termos de filiados partidários. Foto de Chico Sant’Anna

De um ano para o outro, o PP superou o PSC e passou a ocupar a quarta posição, com 14.110, crescimento de 1,2%. O PSC, por sua vez viu seu plantel de adeptos reduzirem de 14.102 para 14.092.  O PSD do vice-governador Renato Santana está no final da tabela (32º colocado), entre os lanterninhas, conta com apenas 418 filiados, segundo o TRE.

Esquerda

O PT continua como o 6º maior partido, com 13.828, uma ligeira queda, se comparado aos 13.890 filiados de um ano atrás. A Lava Jato e o desempenho do governo Agnelo parecem que não afetaram os quadros partidários. O PDT que agora conta com a presença do presidente da Câmara Legislativa, distrital Joe Vale, é o 7º com 12.498, cinquenta a mais do que em outubro passado. Na cola dele, o PR, com 11.357 membros, 11.336, apenas 21 novos filiados.

 

Dos 35 partidos existentes no DF, apenas 11 ampliaram seus quadros. Dois mantiveram o mesmo contingente (PMDB e PCO) e os demais tiveram redução de filiados.

Socialistas

Estar no comando do Buriti parece não ter trazido dividendos em termos de filiação partidária ao PSB, do governador Rollemberg. Continua sendo o 12º, com 5.305, 17 a menos do que há um ano. À frente deles está o Solidariedade, de Augusto Carvalho e da distrital, Sandra Faraj, 6.076 (alta de 4,48% em relação a 2016); o PPS, de Cristovam Buarque e Celina Leão, com 5.434 filiações, uma queda de 25 filiados, e o PTB, de Liliane Roriz e Alírio Neto, 5.311 (5.314, em 2016).

O Psol, que em 2010 teve seu candidato a governador como o terceiro mais votado, conta hoje com 3.419 filiados, cresceu 17,2%, em relação a 2016, quando já havia crescido 1,25% em relação a 2015. Pulou da 17º posição para a 14ª. O PRTB, que ocupa a 13º lugar apresentou redução de oito filiações, passando a 3.891

Verdes

Os partidos que apresentam uma plataforma ambiental como marca registrada no DF não possuem grandes quadros de filiados. No PV (23º colocado), são 1.058; na Rede (30º colocado) mesmo contando com três deputados distritais, são apenas 438 filiados, e no PEN (31º colocado), 432.

Anúncios