Poema de Luiz Martins da Silva. Foto de Chico Sant’Anna

Termos vindo e partilhado
Não foram de todo lamentos,
Houve perdas, mas ganhos a mais:
Muito mais amores que tormentos.

E, se ainda há tantas perguntas,
Desafios ante oráculos,
Nem toda ciência pura
Há de responder na prática.

Ter sido é saber que somos,
Muito menos como iremos.
Quantos, com suas indagações,
Ainda nas primeiras lições.

Hoje, nada mais é que noite e dia.
Amanhã, quem escreve estas linhas,
Serão, mesmo, de fato, minhas
As que se alinham em poesia?

Seu Ney, dileto amigo:
“Artista não cria, revela”.
No meio das escuridão,
Quantos são para uma vela?

Sábio é o dever cumprido,
Estreita seja a estrada.
Para cada pedregulho
Um fruto pende do lado.

Então, carece pouco,
Quando vasta é a fé.
Melhor ser o que se é,
Mesmo quando se é louco.

Anúncios