Poema de Fim de semana: Centúrias III

Por Luiz Martins da Silva. Foto de Chico Sant’Anna

Há de se viver, uma estação por vez,
Não tardam, as vingas, virão.
Até hoje, não houve esperança sem fim,
Nem inverno sem término.

Eis-me aqui, com as mãos de lavrador
Perante um dilema sem lema
E que desde uma plaga me indaga:
Entre tantas, que dor mais urge capina?

Há de se encontrar açúcar, questão de fé:
Convicto, enquanto goles de água e arábica,
Mesmo no esguio da não profundidade
Da distante idade, mas de poucas certezas.

Ditado é que o amor a tudo vence.
Enigmático é o que de fato nos pertence:
Por destino, fiança ou mérito.
Lágrima é que se esvazia de cima para baixo.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Fotografia, Literatura, Poemas & Poesias. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s