Em agosto, Brasília volta a registrar a maior inflação dentre as capitais do país

Por Chico Sant’Anna

 

A parceria entre a Petrobrás, aumentando o preço da gasolina, e dos governos Temer e Rollemberg, reajustando, respectivamente, a CIDE e o ICMS sobre combustíveis, fez Brasília voltar a registrar a maior inflação dentre as capitais do país. Em agosto, a taxa do IPCA apurada pelo IBGE foi de 0,45%, 2,4 vezes maior do que a inflação nacional, em 0,19%. O maior culpado é o grupo “despesas com transportes”, que teve uma elevação média de 2,63%. Dentre os itens que compõem esse grupo, a gasolina foi a grande vilã. Segundo o IBGE, só a gasolina aumentou em agosto 12,26%. E, pelo o que se viu na primeira semana de setembro, com a gasolina ultrapassando os R$ 4,00, o custo de vida vai ser impulsionado mais uma vez pelos combustíveis automotores e também pelo gás de cozinha, alvo de novos aumentos da Petrobrás.

Em 2015 e 2016, Brasília também carregou o titulo da capital com maior inflação, Confira:

Além dos combustíveis, destacam-se no grupo “despesas com transportes”, o seguro voluntário de veículo (11,40%). O segundo grupo de despesas que mais contribuiu para a subida do IPCA de agosto foi o “vestuário”, com alta de 0,88% e, em terceiro, “habitação”, alta de 0,57%.

Doze meses
Na apuração dos últimos 12 meses, a inflação candanga é a vice-campeã, (3,99%), perdendo apenas para Recife (4,52%). Ao longo de 2017, o IPCA acumulado de janeiro a agosto, em Brasília, ficou em 1,96%. Só nçao foi maior graças a deflação (-0,76) do item alimentação e bebidas.

Publicado originalmente na coluna BRASÍLIA POR CHICO SANT’ANNA, no semanário Brasília Capital.

No DF, os alimentos que registraram queda de preços foram os “cereais, leguminosas e oleaginosas” (-7,58%), “tubérculos, raízes e legumes (-10,67%). Também os artigos de residência (-0,23) e comunicação (-1,91%) registraram queda nos preços.