Poema de Ana Rossi. Foto de Chico Sant’Anna

 

água cristalina
que se turva
no movimento do vento
 

água cristalina
que suja
o momento
 

água cristalina
estampada
nos rostos
escondida nos recônditos
de mim
misturada
 

a quietude
fará
tudo remexer
e conquistar a
água cristalina
cada vez mais
cristalina
em mim