Por Luiz Martins da Silva

 

Não adianta explodir em megatons,
Perder o controle, o decoro, o tom.
Elas têm a voz, o cartaz, o megafone…
E até o poder, antes, manso, ternura.

Muito antes de nós, elas, sim,
Já tinham a primazia, afinal, no dia
Em que nascemos elas já eram mãe,
Avó, irmã, tia… E uma tiara de flores.

Amores, amoras, senhoritas e senhoras…
Elas, sim, dão ordens às ondas;
Amansam as águas, o vento, o oceano.
Mas, assanham fúria, se não há respeito.

Mesmo erradas, reverências, mesuras…
Antes de nós elas já eram nascer e nutrizes.
Nunca um de nós será matriz de luz e vida.
O máximo que podemos é ser delas um filho.