Ao fundo, construção da SQS 106. Foto de Cláudio Sant’Anna

Por Luiz Martins da Silva. Foto de Cláudio Sant’Anna

 

1959, um ano marcante.
Pau de arara,
Pé na estrada,
Famílias de retirantes.

59, pioneiros e piotários.
60, a Capital inaugurada.
Mais de 60 anos por ver
A cidade a se construir.

Candango, já não há mais.
Monumento Dois Candangos,
Auditório Dois Candangos,
Casa dos Cantadores Candangos.

Na calçada do Banco Central
Ficava o “O Senhor do Mel”;
O vendedor de cintos;
A cigana do pano de prato.

Na descida do Bragueto,
59 anos de idade,
A viração na birosca:
Café, leite e pão de queijo.

Em cada parada, banquinhas.
Doces, lanches, lanchinhos.
Quanto mais demora o ônibus,
Mais cedo há de chegar a fome.

Na velha Rodoviária,
Na descida do NA HORA,
Por desemprego, a senhora
Do bombom de cupuaçu.

Há 59 anos, dia, noite, feriado,
Pastel com caldo de cana,
Patrimônio da Humanidade
Que dorme o sonho acordado.

País? Brasil acima de todos.
Inscrição para matrícula;
Vale-transporte, consulta;
Lote, casa, carnê, concurso.

Velhacap, Novacap, Terracap…
E o povo, à sua maneira, escapa
Do escalpe cotidiano
Das contas, dos sonhos dos Planos.