Foto: Edison Rodrigues/Agência Senado

Parlamentar é alvo de representação junto ao Ministério Público e perde o comando do seu partido na Capital Federal

 

Por Chico Sant’Anna

 

A vida não anda tranquila para a deputada Bia Kicis (PSL-DF). Em meio ao tiroteio interno do PSL, ela, que é muito amiga do presidente Bolsonaro, foi destituída da presidência do diretório do PSL do Distrito Federal. O movimento é tido como uma represália ao fato de ela ter se posicionado do lado de Bolsonaro e contra congressistas ligados ao presidente da sigla, Luciano Bivar.

Aliados de Bivar – diz o site Congresso em Foco, afirmam que o nome mais cotado para substituir a deputada no comando local do partido é o do secretário de Segurança Pública do governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), Anderson Torres. A se confirmar, Ibaneis fortalece suas bases políticas na Capital Federal.

Caixa 2

Esta não é, contudo, a única dor de cabeça da deputada. O jornal Folha de São Paulo, na sua coluna Painel, registra que a ex-procuradora do Distrito Federal e ativista de direita nas redes sociais é alvo de uma denúncia de caixa 2, supostamente ocorrido na campanha eleitoral.

A deputada Bia Kicis, hoje vice-presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, foi eleita pelo PRP, com 86.415 votos. Como o partido não superou a cláusula de barreira, ela, que está em seu primeiro mandato político, migrou para o PSL e é uma das congressistas mais próximas do presidente Jair Bolsonaro. Tem livre trânsito nos palácios do Planalto e da Alvorada.

“Em meio à guerra dentro do PSL, um ex-apoiador da deputada Bia Kicis (PSL-DF), o ativista Fernando Souza protocolou no MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios), nesta sexta (18), acusação contra a parlamentar por suposta prática de caixa dois durante o período eleitoral” – diz a Folha.

Na representação, Souza diz que Bia usou como diretório da campanha um apartamento no hotel San Paul, no DF, que seria do blogueiro Octavio Fakhoury, e não declarou o uso do espaço à Justiça Eleitoral. Ao site o Antagonista, a deputada rebateu denúncia do ativista Fernando Souza de que teria feito caixa 2 em sua campanha, como publicou a Folha e sua assessoria afirmou que “Fernando Souza nunca foi apoiador da hoje deputada Bia Kicis”.