A representação diplomática italiana informa que não haverá voos especiais de repatriamento e que os italianos devem procurar diretamente as empresas aéreas para providenciar o retorno. Ao chegar ao território italiano serão submetidos a uma quarentena especial.

Por Chico Sant’Anna

A Itália, país que está entre as três nações com mais casos no mundo, acha mais seguro que seus nacionais voltem pra casa do que permaneçam no Brasil.

A exemplo do que fizeram os Estados Unidos e a Alemanha, a embaixada da Itália em Brasília conclama que os cidadãos residentes na Itália, atualmente no Brasil por curto prazo, retornem a terra natal o mais rápido possível. O governo Italiano, que até até o dia 9 de abril computava 4.204 mortos pela Covid-19, deve considerar o Brasil mais inseguro para seus compatriotas. Observe-se que para a Itália foram enviadas brigadas de Saúde de Cuba, China e Rússia, dentre outras nações, e que pacientes mais graves estão sendo atendidos na Alemanha.

Leia também:

No aviso publicado pela Internet, a representação diplomática informa que não haverá voos especiais de repatriamento e que os italianos devem procurar diretamente as empresas aéreas para providenciar o retorno. E ao chegar ao território italiano serão submetidos a uma rotina especial. Numa outra nota, informa que a OpenSky World, com sede em Bolonha, organiza um voo especial de repatriação Fortaleza-Roma, mas que cada interessado deverá pargar por sua passagem.

Quarentena

“Qualquer pessoa que retorne do exterior à Itália deve comunicar imediatamente sua chegada à Autoridade de Saúde responsável pelo território de destino, será submetida a vigilância sanitária e deverá observar obrigatoriamente um período de auto-isolamento de 14 dias em sua residência” diz o informe, lembrando que todos deverão obedecer ao que determina o Decreto do 1º Ministro, data de 10 de abril, que impõe regras de isolamento social em todo território italiano.