O uso de máscara estimula muitas mulheres a caprichar na maquiagem nos olhos, mas essa prática exige cuidados especiais

 

Por Camila Cortez

Com a necessidade e até a obrigatoriedade do uso da máscara facial para reduzir o risco de contaminação pelo novo coronavírus, os olhos ganharam destaque como canal de comunicação entre as pessoas. Surgiram muitos tutoriais ensinando a realçar esta parte do rosto. E ao contrário de produtos como base e pó que diminuem a filtragem do ar, reduzindo a eficácia da máscara na hora de impedir a passagem do vírus, a maquiagem nos olhos não interfere na proteção. No entanto, o uso incorreto destes produtos pode provocar conjuntivite, infecção da pálpebra e até lesionar a córnea.

De acordo com o oftalmologista Hilton Medeiros, o mau uso de produtos como rímel, delineador, lápis e sombra, itens que estão em contato direto com os olhos podem causar irritações oculares que variam passando desde a sensação de ardor, coceira persistente a reações alérgicas aos componentes químicos dos produtos.

“Conjuntivite e blefarite, inflamação na pálpebra que causa prurido e vermelhidão, também podem surgir. E apesar da facilidade do tratamento, o desconforto nos olhos nunca é bem-vindo”, alerta o médico.

Outros cuidados importantes estão relacionados à validade e à qualidade da maquiagem. Os produtos utilizados para maquiar o rosto devem ser clinicamente testados e aprovados para essa finalidade. Apenas os dermatologicamente testados e hipoalergênicos são indicados. Maquiagem com prazo de validade vencido é uma das maiores causas de dermatite de contato.

Usar maquiagem de outra pessoa também é abrir a porta para a entrada de agentes causadores de irritações e até mesmo conjuntivites. “Se for preciso retocar a maquiagem durante um jantar, por exemplo, carregue a sua própria na bolsa”, aconselha Hilton Medeiros.

O simples ato de coçar os olhos com maquiagem pode trazer sérias consequências. “Ao se coçar, toda a sujeira, o suor e o cosmético são levados para dentro dos olhos, o que pode ocasionar infecção da pálpebra e até lesão da córnea”, alerta o oftalmologista.

Em caso de irritação, compressas com soro fisiológico gelado são indicadas para minimizar o desconforto. Todavia, se o problema persistir, recomenda-se procurar o oftalmologista.