Por Luiz Martins da Silva. Foto do acervo do Arquivo Nacional


I
Formam-se nos valores da brutalidade.
Frequentam academias da brutalidade.
São treinados para a brutalidade.
São pagos pela brutalidade,
Matam com requintes de brutalidade.

II
Uma vez ligados no modo brutal,
Explodem em fúria exponencial
E vão até o final
Matando com um “mata leão”,
Qualquer indefeso cidadão.

III
Para eles, não importam vidas.
Vidas negras muito menos.
Importa, sim, o patrimônio.
E uma vez contratados.
Agem como demônios.

IV
Qualquer que seja o motivo,
Eles têm sempre razão:
Por uma simples discussão,
Um pacote de biscoito,
Um saco de pão.

V
Um outro país tem de ser inventado
Em lugar do país negado,
Da terra negada,
Dos direitos negados,
Das vidas negadas.

VI
Chega de genocídio,
Chega de feminicídio,
Chega de historicício,
Cuida, Brasil, de todos.
Cuida de todos os brasileiros!