R$ 7 milhões, que deveriam ser investidos no DF, foram destinados por de cisão de Ibaneis Rocha a tres cidades do Piauí onde ele dispões de fazendas. Foto do portal Pensar Piauí.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) destinou R$ 7 milhões para três cidades do Piauí. Recurso público, que poderia ser usado no Distrito Federal, se destina a melhorias em estradas rurais, construção de pontes e linhas de energia para áreas rurais nos municípios de Sebastião de Barros, Corrente e Oeiras. Região onde ele possui quatro fazendas no Piauí, que totalizam uma área de 4.100 hectares. O Sindsasc obteve documentos comprovando o repasse, por determinação judicial, que mostram destino de verba que integra “Orçamento Secreto”

Texto da Ascom do Sindsasc

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) destinou R$ 7 milhões para três cidades do Piauí. Documentos obtidos pelo Sindicato dos Servidores da Assistência Social e Cultural do GDF (Sindsasc) por meio do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) apontam que a verba pública foi direcionada para municípios localizados numa região onde Ibaneis possui propriedades rurais que ficam a mais de 800 km do DF. Com documentação obtida, o Sindsasc encaminhou denúncia de improbidade administrativa contra Ibaneis para o Ministério Público do Distrito Federal, Câmara Legislativa do Distrito Federal e Tribunal de Contas da União.

O recurso faz parte de um total de R$ 15 milhões e integra o chamado “Orçamento Secreto”, conjunto de emendas parlamentares, que permitiu o envio de verbas por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). Ibaneis, aliado do presidente Jair Bolsonaro, teria ganhado o direito de escolher o destino do montante.

Para melhor entender esse caso, leia:

Os documentos obtidos pelo Sindsasc mostram que o recurso público se destina a melhorias em estradas rurais, construção de pontes e linhas de energia para áreas rurais nos municípios de Sebastião de Barros, Corrente e Oeiras. No total, Ibaneis possui quatro fazendas no Piauí, que totalizam uma área de 4.100 hectares, o que corresponde a 5.700 campos de futebol. Com o investimento, as terras do governador seriam valorizadas. Na leitura da entidade, Ibaneis enviou dinheiro público para valorizar suas terras no Piauí.

Para a cidade de Sebastião Barros, onde fica a sede de uma de suas fazendas, Ibaneis destinou R$ 4,7 milhões para recuperar estradas, comprar caminhão e trator, construir ponte e instalar poste de energia. O dinheiro chegou no ano eleitoral de 2020, quando o governador tentava reeleger um aliado para a prefeitura. Seu candidato perdeu a eleição.

Na vizinha Corrente, município de sua família, onde passou a infância, Ibaneis enviou R$ 1,4 milhões para “execução de serviços de recuperação de estradas vicinais”. Oeiras, no centro do Estado, teve R$ 428 mil para tratores, roçadeira, caminhões-tanque e batedeira de cereais.

Denúncias encaminhadas

Pesa sobre Ibaneis a acusação de improbidade administrativa por violação dos princípios básicos da administração pública, como impessoalidade, moralidade e publicidade. “A iniciativa de Ibaneis se deve ao fato de ele ter interesse pessoal, econômico e talvez político no Piauí. É um evidente caso de improbidade administrativa ele destinar recursos justamente para cidade onde ele possui fazendas. Ibaneis não pode usar recursos públicos como se fossem privados”, afirma o presidente da entidade, Clayton Avelar.

Em maio, o Sindsasc entrou com ação judicial movida contra o GDF e Ibaneis Rocha para solicitar a apresentação dos documentos relativos ao envio de recursos provenientes de emendas parlamentares a cidades do Piauí, dentro do chamado “Orçamento Secreto”. Dessa decisão, o governador recorreu, mas teve o recurso rejeitado pelo TJDFT. Os documentos apresentados são utilizados na denúncia feita pela entidade.