Poema de Paulo José Cunha

Socorro!
Os poetas estão soltos!
Socorro!
Os músicos e os pintores estão soltos!
Socorro!
Socorro!
Os cineastas, os instrumentistas, os artistas de rua estão soltos!
Socorro!
Os letristas, os compositores, os atores, os artesãos e os bailarinos, todos estão soltos!
Socooooorrooooo!
Os romancistas, os biógrafos, os filósofos, os bêbados, os loucos e as crianças:
TODOS
estão soltos!
SOLTOS!
Totalmente soltos!
Socorro, meu Deus, socorro!
(Mas como haverá
socorro,
se Deus também está solto

e se juntou a eles?)