Poema de Paulo José Cunha. Foto de Chico Sant’Anna

E esses casais mais velhos
que ficam aí pelos bares
sorvendo bem devagar
um gole de chope, absortos
na algaravia das mesas em torno?

Já não se olham
nem se falam.
Já se disseram tudo
o que havia para dizer.
Já se sorriram
o que havia para sorrir. 

Agora, mãos entrelaçadas,
olhar distante,
apenas bebericam a vida,
em pequenos goles,
e deixam o tempo}
escorrer,
bem devagar,
assim,
como deve ser.