Poema de Fim de Semana: Lampedusa à vista

Poema de Luiz Martins da Silva.
Escultura sobre desenho de Corine Pagny

 

Eles salvam baleias, não salvam?

Também as nossas famílias

Agonizam sobre as ondas.

Eles irão nos acolher.

 

Um dia, também vieram

Acostar-se em nossas praias.

Tanto tempo nossas terras

Repartidas em colônias.

 

Fazem parte de uma União.

Também queremos unir-nos

Aos que um dia nos ungiram

No aceno de fé e oração.

 

Também teremos direitos,

Universais, consagrados?

Golfinhos talvez entendam

O que estar à deriva.

 

Eles recolhem das águas

Tanta riqueza perene.

Reconhecem na paisagem

Crianças, mulheres, homens?

 

Lampedusa, meu amor,

Não me sejas Hiroshima.

Pois já diviso teus braços.

Tua areia, meu destino.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Artes Plásticas, Cultura, Literatura, Minorias sociais, Miséria & Pobreza. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poema de Fim de Semana: Lampedusa à vista

  1. Nailda Rocha disse:

    Que maravilha, mestre! Que maravilha! Obrigada!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s