Operação em Brasilinha, no Entorno do DF, tem por alvo grupo que agiu durante a gestão do ex-prefeito David Alves Teixeira Lima (PR-GO), em 2017, por meio de um esquema ilícito de contratação ilegal de empresas para a prestação de serviços de coleta de lixo e limpeza urbana no município. O esquema desviou cerca de R$ 1,5 milhão dos cofres públicos.

Com base no informe das Promotorias de Justiça de Planaltina de Goiás e da Ascom do MP-GO

 

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) deflagrou, na madrugada desta quarta-feira (18/9), a Operação Chorume, que tem por objetivo desmontar associação criminosa em Planaltina de Goiás (Brasilinha). O grupo agiu durante a gestão do ex-prefeito David Alves Teixeira Lima (PR), em 2017, por meio de um esquema ilícito de contratação ilegal de pessoas jurídicas, mediante dispensa de licitação, para a prestação de serviços de coleta de lixo e limpeza urbana no município, sem observar da Lei de Licitações e das demais legislações correlatas.

O médico David Alves Teixeira Lima tem uma história com várias passagens na Justiça.

O médico David Alves Teixeira Lima tem uma história com várias passagens na Justiça. Em 2015, como informa o blog Política e Atualidades, de Donny Silva, ele foi condenado pela Vara Cível de Planaltina, do Tribunal de Justiça do DF pela emissão de laudo médico na condição de neurologista, sem o sê-lo. O assunto veio à tona antes das eleições municipais de 2016, mas mesmo assim ele foi eleito. Em agosto desse ano, o Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) cassou o mandato dele e de sua vice, Maria Aparecida dos Santos (Pros), por crime de compra de votos. Ele ficou inelegível por oito anos.

A apuração, iniciada a partir da instauração do Procedimento de Investigação Criminal (PIC) nº 7/2017, constatou que a associação criminosa tinha envolvimento de agentes públicos e empresários, visando o desvio de recursos públicos, bem como desvendou a prática de fraudes para a celebração de dois contratos administrativos entre o município e as empresas Rode Bem Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda. e G.J. Construções e Serviços Ltda., que acarretaram lesão aos cofres públicos no valor de R$ 1.491.060,00.

O Juízo da 2ª Vara Criminal da comarca de Planaltina deferiu a expedição de quatro mandados de busca e apreensão, três mandados de prisão temporária e um mandado de prisão preventiva, para serem cumpridos em Planaltina.

Prisão temporária e prisão preventiva

O Juízo da 2ª Vara Criminal da comarca de Planaltina deferiu a expedição de quatro mandados de busca e apreensão, três mandados de prisão temporária e um mandado de prisão preventiva, para serem cumpridos em Planaltina. Permitiu ainda o cumprimento de três mandados de busca e apreensão, dois mandados de prisão temporária e um mandado de prisão preventiva, para serem cumpridos em Brasília (DF), além de três mandados de busca e apreensão, sendo dois deles contra pessoas jurídicas, e um mandado de prisão preventiva, para serem cumpridos na cidade de Barreiras (BA).

A operação tem a coordenação da 4ª Promotoria de Justiça de Planaltina, por meio do promotor de Justiça Rafael Simonetti Bueno da Silva, e conta o auxílio de três promotores de Justiça, bem como dos Centros de Inteligência (CIs) do MP-GO e do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDF), Centro de Segurança e Inteligência do Ministério Público da Bahia (MPBA), dos Grupos de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) do MPDFT e do MPBA, das Polícias Civil de Goiás e do DF, bem como da Promotoria de Justiça da Comarca de Barreiras (BA).