Estádio Mané Garrincha. Foto de Gabriel Jabur, da Agência Brasília.
Com base no Yahoo notícias

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), vetou nesta terça-feira o projeto de lei que dava o nome de Mané Garrincha ao novo Estádio Nacional de Brasília. A proposta foi provada pela Câmara Legislativa do DF.

Veja aqui o facsímile do veto do governador

Agnelo justifica seu veto, alegando que o imóvel é da Terracap e somente a ela seria permitido outorgar um nome. Na verdade é uma desculpa, pois se o GDF não pode atribuir o nome de Mané Garrincha, também não poderia atribuir o nome de Estádio Nacional de Brasília. Por outro lado, a Terracap é uma empresa estatal e o GDF comandado por Agnelo tem 51% dos votos no conselho da empresa. Os outros 49% são da União. Se Agnelo não fosse contra a formalização legal da homenagem, bastaria fazer prevalecer a vontade do GDF na administração da Terracap.

Especialistas explicam que por de trás de tudo isso, está uma posição da FIFA em deter todos os direitosde imagem do estádio. Assim, quem quiser fazer souvenirs – cinzeiros, chaveiros, camisetas etc – com a imagem do estádio terá que pagar royalties à FIFA. Com o nome de Mané Garrincha isso só poderia ocorrer com a concordância dos craques das pernas tortas.

Leia também:

O antigo Estádio Mané Garrincha foi inaugurado em 1974. Dois anos antes, Garrincha vestia a camisa do Ceub, única equipe que representava a Capital Federal no Campeonato Brasileiro de Futebol. Na época os jogos eram no Pelezão. Hoje o Pelezão não existe mais, deu espaço a um empreendimento imobiliário. O estádio Mané Garrincha foi demolido em 2010.

O antigo Estádio Mané Garrincha em Brasília foi inaugurado em 1974. Dois anos antes, Garrincha vestia a camisa do Ceub, única equipe que representava a Capital Federal no Campeonato Brasileiro de Futebol. Na época os jogos eram no Pelezão. Hoje o Pelezão não existe mais,deu espaço a um empreendimento imobiliário. O estádio Mané Garrincha foi demolido em 2010.

Com a Copa de 2014, o nome da nova arena para Estádio Nacional de Brasília gerou protestos.

Leia também: 

Participe do movimento pela preservação do nome do Estádio Mané Garrincha

A autora do projeto, deputada Liliane Roriz (PSD), criticou o veto. Segundo a deputada, o nome Mané Garrincha, além de fazer justa homenagem ao campeão mundial do futebol da década de 1960, “já é uma referência para os brasilienses”. Com o veto, o projeto volta para a Câmara Legislativa, onde será reanalisado pelos deputados distritais.

Resta saber agora se os distritais vão se curvar a esta imposição impopular de Agnelo e esperta da FIFA ou vão manter uma homenagem de quase 40 anos a Mané Garrincha. Eu me pergunto, inclusive, se com o tomabamento de Brasília pela Unesco, a mudança de nome seria possível, Se o for, corremos o risco de ter o Eixo Monumental, o Eixão e outras vias, mudando de nome.