Insegurança em alta: DF tem 120 furtos por dia

revolver-closePor Chico Sant’Anna

 

Os números não mentem. A insegurança que a sociedade de Brasília sente é real.
Nos primeiros 20 dias de setembro, o DF registrou 2.416 furtos, nas diferentes modalidades. Uma média de 120 por dia.

Comparando-se ao mesmo período de 2015, o volume de furtos no Distrito Federal cresceu mais de sete vezes: aumento de 689%. E o mais grave, a capacidade da estrutura em segurança pública em evitar tais ocorrências se revela mais precária. Caiu em quase 86% a quantidade de flagrantes, que é quando o criminoso é identificado e preso em até 24 horas após o crime cometido.

Do total de furtos registrados nos primeiros vinte dias de setembro desse ano, 384 foram de veículos, ou seja, 19,2 carros ou motos por dia, quase um por hora. A cada 24 horas, há 36 furtos no interior de veículos e, praticamente, três bicicletas são roubadas. A cada hora uma casa foi furtada. Áreas tranquilas até então, como o Park Way, passaram a ser alvo predileto dos criminosos.

Publicado originalmente na coluna Brasília, por Chico Sant'Anna do semanário Brasília Capital

Publicado originalmente na coluna Brasília, por Chico Sant’Anna do semanário Brasília Capital

Percentualmente, os tipos de furtos que mais cresceram entre setembro desse ano e de 2015, foram os cometidos em transporte coletivo, 2.000%, e a pedestres, 1.253,9%. Em termos absolutos, mais de dois mil pedestres foram alvo de ladrões nos vinte primeiro dias de setembro. São 200 cidadãos sendo furtados a cada dia.

E esses dados, levantados pela Divisão de Apoio Técnico e Estratégico da Polícia Civil do DF, não incluem ocorrências mais violentas, tais como homicídio, sequestro, violência sexual, agressão física, crimes de trânsito, dentre outros.

E a resposta das autoridades é que não há estrutura, não há pessoal, não há isso, não há aquilo.

Se há falta de contingente e de recursos para contratar mais, é urgente rever a jornada de trabalho de nossos policiais: 12 horas de trabalho por 36 de folga, nos dias de hoje, chega a ser um privilégio. Ainda mais quando se sabe que na folga, que seria para diminuir o stress do perigo da profissão, muitos vão fazer bico como segurança em eventos.

Por que não unificar logo?

Há décadas, organismos internacionais, como o Conselho de Direitos Humanos da ONU, pressionam o Brasil a por fim a Polícia Militar. A corporação é vista como resquício da ditadura militar e responsável por inúmeros casos de violência a jovens pobres e negros.

Em momentos como o que Brasília passa – polícias Civil e Militar se digladiando por competências jurídicas e equiparações salarias -, ganha espaço novamente a questão. Por que o Brasil, como a maioria das democracias ocidentais não unifica suas policias? Com polícia única, além de melhor gestão na Segurança Pública e fim de impasses corporativos, traz-se-á otimização de recursos com o fim de paralelismos. No DF, onde há uma delegacia de polícia, tem um quartel da PM, onde tem um delegado, há um comandante de um batalhão. Dois prédios, viaturas em dobro, máquina burocrática em dobro e eficiência pela metade.

 

 

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Brasília - DF, Distrito Federal, GDF, Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Militar, Secretaria de Segurança, Violência & Segurança Pública. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Insegurança em alta: DF tem 120 furtos por dia

  1. Kekão disse:

    Esses números de roubos e furtos no DF, não tenho dúvida que estão relacionados a essa política equivocada do GDF no que tange a segurança pública, com uma secretária que nada entende de segurança e um governador mentiroso, que não cumpre o que promete, privilegiando uma polícia em detrimento a outra. Pode escrever que esses números tendem a aumentar porque se o GDF acha que a polícia ostensiva reduz sozinha os índices de violência, está completamente enganado. Enquanto ele não cumprir a promessa dele em manter a paridade histórica e legal entre a PCDF e a PF (promessa filmada e gravada) se curvando às chantagens dos policiais militares, esses números só irão aumentar. A PM é super importante quando faz o serviço destinado a ela, que é a prevenção de crimes com a atuação ostensiva. O problema é que estão deixando de fazer o que lhes compete pra entrar na seara da polícia civil, que é a investigação. Com isso, deixam de fazer bem feito o que deveriam fazer, além de não fazer bem o que nós fazemos, pois eles não têm o know-how para isso. Na grande maioria das prisões feitas por policiais militares, o criminoso volta as ruas no dia seguinte, pois são prisões baseadas em provas frágeis. Já as prisões efetuadas por policiais civis, baseadas em provas robustas colhidas através de investigações bem feitas (exames periciais, interceptações telefônicas, depoimentos, etc) realmente mantém os criminosos presos por mais tempo, reduzindo assim a criminalidade. Enquanto esse governador não honrar sua palavra, os policiais civis não terão estímulo para continuar quebrando recordes de apreensões e prisões como anteriormente estava acontecendo, e com isso a tendência é piorar. O trabalho da PCDF continua sendo feito, mas o ritmo caiu consideravelmente com a desmotivação.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s