caesb-cor-agua-park-way-balde
Mais de um mês após o racionamento, moradores convivem com água barrenta em diversas localidades do Distrito Federal.

Por Chico Sant’Anna

Na capital do Banho Tcheco, depois de semanas de racionamento, o drama da água barrenta fornecida pela Caesb, como se potável fosse, continua para muitos consumidores do Distrito Federal, atendidos pelo sistema Descoberto.

No Park Way, basta a Caesb reativar o abastecimento, após o dia de corte, para que nos celulares de todos reclamações pipoquem nos grupos de zap.

Fotos e vídeos não faltam. Tem máquina de lavar lotada de roupa branca manchada de barro, crivos de chuveiros entupidos, baldes, pias, copos, chuveiros. Pode escolher a situação: os moradores, principalmente das quadras de número 26 a 29 do Park Way, terão imagem para ilustrar a lama que está sendo fornecida.

Leia também:

caesb-cor-agua-park-way-calice
Pode escolher a situação: os moradores, principalmente das quadras de número 26 a 29 do Park Way, terão imagem para ilustrar a lama que está sendo fornecida.

A Caesb já foi acionada diversas vezes. Primeiro disse que era decorrente das manobras de fechar e abrir redes e que logo o problema estaria resolvido. Depois, diante da continuidade do fornecimento de lama, jogou a responsabilidade nos próprios moradores, alegando que eles não faziam a limpeza rotineira das caixas d’água. A versão foi desmontada, pois vários moradores mostram em imagens a qualidade d’água logo após os hidrômetros, antes dessa chegar aos reservatórios.

Publicado originalmente na coluna Brasília, por Chico Sant'Anna, do semanário Brasília Capital.
Publicado originalmente na coluna Brasília, por Chico Sant’Anna, do semanário Brasília Capital.

Até quem colocou filtro central para reduzir o dano está sofrendo. A lama que agora apresenta uns resíduos que aparentam ser fruto de tubos enferrujados, logo satura a capacidade de purificação d’água desses equipamentos.

Descontentes com o serviço prestado, com a falta de respostas da Caesb e temerosos quanto à pureza d’água, moradores já pensam em acionar o Procon e o Ministério Público.

Será que é precisa chegar a tanto?

Com a palavra, a Caesb.

Anúncios