Urbanismo: PPCUB – Mais um desgaste para Rollemberg?

vista-aerea-de-brasilia-foto-chico-santanna-9-closeTexto e fotos por Chico Sant’Anna 

Já se passaram mais de três anos, mas a novela do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília – PPCUB volta ao cartaz. Desta vez, estrelando Rodrigo Rollemberg e Thiago de Andrade nos papéis anteriormente desempenhados por Agnelo Queiroz e Geraldo Magela.

O PPCUB, para quem não se lembra, deve ser aprovado em forma de Lei Complementar e tem como missão preservar a proposta urbanística de Lúcio Costa para Brasília. Na versão petista, a leitura feita pela sociedade civil era exatamente o inverso. O texto previa o loteamento da área central do Eixo Monumental entre o Memorial JK e a EPIA, criação de lote de 85.000 m² na quadra 901 norte, edifícios residenciais nas quadras 900, ao longo das Avenidas W.5; previsão de que os hotéis de três andares, existentes nos setores Hoteleiros Sul e Norte, pudessem ser demolidos para dar lugar a prédios de até 10 pavimentos e que diversos clubes na orla do Lago se tornassem hotéis, na prática tornando-os em condomínios residenciais. No Setor de Garagens Oficiais (SGO), ao lado do Palácio do Buriti, previa-se a revisão do parcelamento do solo e a privatização de, praticamente, duas centenas de lotes destinados a escolas públicas nas Superquadras e Entrequadras, dentre outras medidas.

Sobre os projetos de natureza urbanísticas do atual governo, leia também:

por-do-sol-torre-3

Na versão petista do PPCUB, o canteiro central do Eixo Monumental, na sua parte oeste, poderia ser parcelada em lotes. No atual governo ainda não foi informado se a proposta continua ou não. Foto de Chico Sant’Anna.

Moção:

A versão Rollemberg não é detalhadamente conhecida até agora, pois “apenas a parte conceitual do PPCUB (princípios, objetivos, diretrizes) foi discutida com a sociedade ao longo de 2016:” – informa a arquiteta Vera Ramos, presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal, IHG-DF

Uma moção subscrita por seis entidades tradicionalmente defensoras da preservação de Brasília e de sua condição de Patrimônio Histórico da Humanidade questiona a dualidade das ações do GDF. “Se de um lado o GDF se propõe a elaborar um novo PPCUB, fundamentado na preservação e não na alteração do Conjunto Urbanístico de Brasília, de outro, age de forma conflitante com essa pretendida postura, na medida em que, paralelamente, implementa, sem o devido critério, projetos e intervenções que impactam diretamente a área tombada. Destacamos a nova regulamentação dos puxadinhos, projeto Orla Livre e intervenções viárias na ponta da Asa Norte sem a devida compatibilização com o tombamento, Cidade Aeroportuária e muitas Parcerias Público-Privadas (PPP), como as que tratam do Parque da Cidade, Autódromo, Centro de Convenções e do projeto da Via Interbairros” – diz a moção.

Veja as vídeo-entrevistas:

Normas conflitantes

As entidades estão igualmente preocupadas com a Portaria nº 166/2016 do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. Ela “introduz alterações nocivas e conflitantes” com outras legislações, em especial o Decreto 10.829/1987, que disciplina a preservação da concepção urbanística de Brasília. As entidades, inclusive, já acionaram o Ministério Público na expectativa de ver a Justiça revogar a portaria.

Leia também:

IHG-DF, Frente Comunitária do Sítio Histórico de Brasília e do DF, Urbanistas Por Brasília, Conselho Internacional de Monumentos e Sítios e Conselhos Comunitários da Asa Sul e Asa Norte não concordam com trabalhar a partir de um documento fundamentado no conceito de alterar, modificar, afrontar o Conjunto Urbanístico. Assim, “não cabe revisar, mas elaborar novo PPCUB”, fundamentado em conceitos de preservação e de resgate dos aspectos essenciais do Conjunto Urbanístico de Brasília.”

Recomendam que a legislação viabilize o resgate da função do centro urbano da cidade conforme o plano de Lucio Costa, por meio da integração, qualificação e valorização da área central do Plano Piloto. Para elas, as áreas livres e áreas verdes devem ser preservadas, pois não são áreas ociosas, como visualiza a proposta do GDF. Elas foram assim previstas para diferenciar a qualidade de vida de Brasília.

Publicado originalmente na coluna Brasília, por Chico Sant'Anna, no semanário Brasília Capital.

Publicado originalmente na coluna Brasília, por Chico Sant’Anna, no semanário Brasília Capital.

Flexibilização

O GDF propõe a flexibilização da setorização prevista por Lúcio Costa, de forma genérica e omite restrições estabelecidas pela legislação vigente. As entidades querem o resgate do documento Brasília Revisitada. Acreditam que o termo “flexibilização”, sem especificar do que se trata, dá margens a várias interpretações.

Embate com a base

Até agora, esse foi só o embate conceitual. As questões deverão esquentar quando e se o GDF vier a propor o que o mercado imobiliário aguarda. Medidas como a destinação da Quadra 901 da Asa Norte, o uso dos lotes de clubes do Lago Paranoá para outros fins, as quadras 500 do Sudoeste, dentre outros.

Resta saber se a atual administração irá repetir as propostas petistas que ajudaram a não reeleger Agnelo. Se isto vier a acontecer, Rollemberg contrariará o que foi a sua principal base eleitoral, em 2014, o Plano Piloto. Na Asa Sul, recebeu 77,6% dos votos e, na Norte, 53,4%.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Asa Norte, Asa Sul, Associações Comunitárias, Brasília - DF, Desenvolvimento Urbano, Distrito Federal, GDF, Plano Piloto, Regularização e Desenv. Urbano, Sec. de Habitação, Urbanismo. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Urbanismo: PPCUB – Mais um desgaste para Rollemberg?

  1. Pingback: Uso do solo: O GDF não conhece o GDF | Brasília, por Chico Sant'Anna

  2. Pingback: Urbanismo: A falta que faz Aparecido | Brasília, por Chico Sant'Anna

  3. Pingback: LUOS: Lago Sul teme ecocídio | Brasília, por Chico Sant'Anna

  4. Pingback: Reserva da Biosfera: Conectando gente e território | Brasília, por Chico Sant'Anna

  5. Pingback: Urbanismo: Como será o Park Way, Lago Sul, Norte e Taquari? | Brasília, por Chico Sant'Anna

  6. Pingback: Urbanismo: Como serão o Park Way, Lago Sul, Norte e Taquari? | Brasília, por Chico Sant'Anna

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s